A variabilidade dos tipos de maconha é devida em grande parte as variedades do tipo landraces e nesse artigo vamos falar mais sobre sua importância e contribuição para a existência dos mais diversos tipos de maconha.

landrace
(Fonte: The green fund)

A maconha, Cannabis sativa L. é uma planta originaria de regiões de planalto da Ásia. Que junto ao seu processo de domesticação pela espécie humana foi difundida no mundo.

Junto a isso também surge tipo de cannabis diferentes. Uma vez que as populações humanas apresentaram diferentes interesses de uso da maconha em diferentes épocas e contexto histórico.

Onde nossa querida planta possui uma ampla versatilidade de uso, seja para fins alimentícios, produção de fibra, ou uso medicinal e recreativo.

Todas essas variáveis de uso contribui para entender o por que temos uma vasta variabilidade de tipos de maconha no mundo.

Outra maneira bem simples de visualizar a variabilidade de tipos de maconha são através de sites como o leafly.com que coleciona mais de 270 mil revisões de diferentes tipos de planta.

Os diferentes tipos de maconha também podem ser referenciados como strains, cultivares, tipos selvagens e landraces ou conhecidas também como variedades crioulas.

Mas antes de abordarmos tipos de maconha landraces propriamente, vamos ver alguns pontos que envolve a variabilidade da maconha.

Falar das diferenças entres os conceitos de classificação quanto ao tipo de material genético de uma planta.

E por fim pontuar as características dos materiais do tipo landraces e sua importância para todo o cenário canábico.

A variabilidade e classificação da cannabis

A grande variabilidade de tipos de planta de maconha está diretamente associada à sua ampla diversidade de uso.

Isso já faz com que naturalmente haja a seleção de plantas com as características mais adequadas para o fim de uso desejado, seja na obtenção de fibra, óleo, sementes e flores.

Assim como para outras espécies cultivadas, a seleção das plantas de cannabis como as conhecemos hoje não foi um mero acidente ou acaso do destino.

Processo o qual ainda hoje realizamos em programas de melhoramento genéticos onde os avanços permitem a realização mudanças mais precisas, em relação ao que já se fazia de maneira empírica por nossos ancestrais.

A dimensão da variabilidade dos tipos de cannabis também pode ser notada com o início dos estudos de descrição e classificação botânica da maconha.

Sendo esse um assunto discutido até hoje. Se você deseja saber um pouco mais dessa história recomendo a leitura desse outro artigo: Cannabis Sativa, Indica e Ruderalis origens e sua história de classificação.

Cannabis Sativa L. é o nome cientifico da maconha mais atual e aceito atribuído a uma espécie única que apresenta as subespécies sativa e indica.

A próxima camada de sua classificação é a de variedade que considera o grau de domesticação da planta sendo de tipo selvagem ou domesticado.

Assim o que comumente entendemos como as “strains” geralmente vão se referir a plantas de variedades mais domesticas e hibridizadas.

E além das variedades mencionadas temos as variedades do tipo landraces ou crioulas que se enquadram nessa categoria por cumprir alguns requisitos para ser caracterizado como landrace.

O que são cannabis do tipo landraces?

Variedades do tipo landraces são resultados de um processo de adaptação as condições ambientais de um dado local cultivada isoladamente de outras populações da mesma espécie.

Chegando assim ao ponto de desenvolverem uma gama de características únicas que também é influenciada pela seleção feita pelo por seus produtores ao longo desse processo de coevolução.

O termo landraces seja para a cannabis ou outras plantas pode estar associado a termos como nativas, indígenas, tradicionais ou crioulas.

Sendo esse tipo de material encontrado em todos os continentes do planeta, porém os casos mais comuns são locais de comunidades rurais isoladas.

Tais condições de cultivo refletem em linhagens de landraces bem estabelecidas onde os fatores de isolamento e a consanguinidade resultam em linhagens “puras” (não hibridas) altamente estáveis e vigorosas.

A importância de conservar os matérias landraces

Quando falamos de variedades landraces outro aspecto muito importante que deve ser abordo é quanto a sua conservação.

Existindo hoje no mundo alguns institutos e iniciativas privadas que realizam parte desse trabalho, pois ter acesso a esse tipo material é fundamental para melhorias no uso da planta.

Sendo valido dizer que uma das melhores e mais simples forma de se conservar uma espécie vegetal é cultivando a planta em si.

Onde a alta variabilidade conservada em variedades landraces muitas vezes vai conter genes de resistência a pragas e doenças ou que resulte em um perfil bioquímico único.

A importância da conservação de variedades desse tipo já é bem entendida por empresas de produção de sementes.

As variedades landraces de cannabis são consideradas como a espinha dorsal para a obtenção dos materiais mais modernos de cannabis cultivadas comercialmente.

Sendo nesses bancos ou locais de diversidade em que as empresas de sementes de cannabis vão buscar as características desejadas para realizar hibridizações criando assim cultivares exclusivos.

A diferença desse tipo de melhoramento com o que acontece com as landraces é de que seu “melhoramento” ocorreu em um processo ao longo de gerações, de uma dada etnia, que cultivaram as plantas com as características mais adequadas aos seus interesses.

Mas que apesar se sua ampla variabilidade, uma landraces vai apresentar traços morfológicos que as distinguem como única, justamente por essa seleção de características por quem a produz.

Assim quando falamos de landraces de cannabis já surgem alguns nomes conhecidos como a manga rosa, ao que aparenta foi trazida de populações do continente africano e se adaptaram bem as condições do Brasil.

Flores da landrace Colonbian Gold
Flores da landrace Colonbian Gold (Fonte: LeaFly)

Outras três landraces conhecidas são originadas de nossos vizinhos colombianos sendo elas a Limão verde, Colômbia gold e Punto rojo.

Mas esses são alguns exemplos de variedades landraces que existem além dos centros de origem e diversidades em regiões da Asia, Índia, Oriente médio e Europa.

Você pode saber mais um pouco sobre a história de algumas das landraces citadas aqui nos documentários “The Kings of Cannabis” disponíveis no canal da Vice no Youtube.

Conclusão

Espero que após ter lido esse artigo você tenha ampliado seus conhecimentos sobre o assunto das landraces de cannabis.

E que sem as variedades landraces não seria possível se ter tantas escolhas de flores uma mais linda e resinada que a outra, como conhecemos hoje.

Comente aqui em baixo o que você achou desse artigo, se ficou alguma dúvida ou se já pode degustar alguma flor de uma planta landraces.

E se você quer continuar obtendo mais conhecimentos do universo canábico, assine nosso newsletter, compartilhe com seus amigos e acompanhe as redes da Plantando Bem no Instagram e Youtube.


João dos Anjos

Agrônomo e mestre em ciências com linhas de estudo em recursos genéticos vegetais, defesa de plantas e manejos ecológicos. Tem como objetivo difundir informações relevantes e atualizadas do universo canábico que contribua com a desmistificação da maconha quanto uma planta e com a reconexão de um mundo mais verde.

Leave a Reply

Your email address will not be published.